Eu me vejo de cabelos brancos,sentadinha em uma cadeira em movimento vem-e-vai e sobretudo,escrevendo.


(Ana Stefana Lisboa)

sábado, 17 de julho de 2010

Cachos

Com Ana Stefana e Bruno Almeida

É bem legal o fim de tarde daqui, não é? Ela respondeu que era sim, assim como em todos os outros lugares. Justo quando não se vê mais o sol, mas ele ainda teima em iluminar e deixar aquele céu laranja, ou então em tons degradê: do azul mais claro e risonho no horizonte e vai escurecendo até achar o breu do céu lá no alto junto com algumas estrelas lingínquas.Ela me olhou sorridente,apontou com o indicador direto ao horizonte e me interrogou com trilhões de perguntas sem respostas.Minhas mãos,pernas,unhas e cabelos tremeram.Suspirei por três vezes.E passei a enrolar meus cachos desde dos fios até o couro cabeludo.Enrolando e desenrolado.Talvez assim,ela não mais repare que ficara sem explicações,sem respostas.Difícil foi desviar sua atenção do horizont e direcionar para meus cachos dourados e com tanta facilidade aprendestes a enrolar com seus próprios dedinhos - até mesmo com o indicador direito - meus cachos,que hoje,adquiriram a mesma tonalidade que o sol deixa todas as tardes aqui em Florianópolis.

11 comentários:

  1. Seu fã, deixa aqui a satisfação de ter lido mais um ótimo texto! um abraço.

    ResponderExcluir
  2. vc arraza como sempre!

    ResponderExcluir
  3. Melhor teria sido com o Bruno Portela... ;]

    ResponderExcluir
  4. Bruno,

    É simplesmente fantástica a poesia contida em seu texto! Parabéns pela emoção narrada em sua escrita.

    ResponderExcluir
  5. Adorei amiga!
    estou esperando...

    ResponderExcluir
  6. Genial. Parabéns aos dois! Demais! RS

    ResponderExcluir
  7. Somente o sol para aquecer nossas almas.

    ResponderExcluir

Venha quando quiser: - Tem espaço na casa e no coração -(Caio Fernando Abreu)